25 de março de 2019 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Rubens Salomão
19-02-2019 | 06h00
Em semana decisiva, líder busca base com 372 deputados
Vitor Hugo realiza com o presidente duas reuniões no Palácio do Planalto para acertar os ponteiros com os parlamentares

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) vive semana decisiva com o envio de projetos prioritários ao Congresso e o líder da base aliada, major Vitor Hugo (PSL/GO), busca consolidar já agora base com até 372 dos 513 deputados federais – número bem acima dos 308 necessários para vitórias governistas em plenário. Vitor Hugo realiza com o presidente duas reuniões no Palácio do Planalto para acertar os ponteiros com os parlamentares: primeiro um café da manhã nesta quarta-feira (20) com a bancada do PSL e, na quinta, a mesma reunião se dará com os líderes da base. “O PSL é a pedra angular da base e tem alguns outros partidos que se encontram mais próximos. Tenho desenvolvido uma boa relação com os líderes e, nesta semana, vou me dedicar à definição dos vice-líderes. A liderança do governo pode ser até 15 vices e já tem algumas conversas com partidos variados”, aponta o deputado. Aliados admitem que o pacote anticrime e a reforma da Previdência deverão passar por mudanças durante a tramitação, mas acreditam em aprovação “tranquila”.

Número meta

A estimativa elevada, de 372 como teto possível da base de Bolsonaro, na Câmara dos Deputados é resultado da conta feita ao se considerar todos os partidos que se declararam, formalmente, como opositores.

À conversa

Major Vitor Hugo admite o número e nega que a saída de Gustavo Bebianno tenha interferência direta nas articulações entre Planalto e Legislativo. “É uma questão de menor importância os deputados discutirão os projetos”.

NOTA COM FOTO DE RONALDO CAIADO

Governo altera autarquias

O governador Ronaldo Caiado (DEM) se reuniu ontem com o presidente da Assembleia Legislativa, Lissauer Vieira (PSB), como parte do contínuo processo de reaproximação do parlamento, e apresentou, de forma adiantada, os projetos enviados ainda ontem para o retorno dos trabalhos ordinário. Entre os principais textos, está a retirada da Agência Goiana de Regulação (AGR) da Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC). A avaliação do governo é que a agência deve se debruçar sobre os temas estaduais e o transporte é referente a serviço de concessão municipal na Região Metropolitana de Goiânia. A AGR tem hoje a função de analisar previamente, por exemplo, o relatório em que as empresas justificam pedido de aumento na passagem de ônibus. Além deste projeto, será lido hoje em plenário texto que altera a Lei Complementar da Goiás Previdência e reduz o mandato de gestores. Neste caso, o entendimento é que a autarquia não tem semelhanças com agências reguladoras e que, por isso, a indicação à presidência deve ser feita pelo Executivo.

CURTAS

Resolução – Com a alteração, Marlene Alves de Carvalho deve deixar a presidência da GoiásPrev. Ela assumiu a Saneago em 2016 depois da Operação Decantação, da PF.

Na pauta – O governo ainda enviou o projeto de extinção da categoria de terceira classe na Segurança Pública e o pagamento de auxílio alimentação de R$ 500.

Educação – Outro projeto cria o Conselho Social do Fundeb, que busca corrigir divergências com a legislação federal que podem impedir repasses de Brasília.

À frente

O governador Ronaldo Caiado (DEM) destacou ontem que Goiás será “o primeiro estado do País a implantar o compliance em todos os órgãos do governo e com toda capilaridade”. Desafio é executar política além das regras isoladas atuais.

Medicina

Para o governador, o compliance represente o diagnóstico antes da gravidade da doença. “Se tivéssemos antes não teríamos tanto desperdício do dinheiro público”, define, dizendo que enxerga o programa como um “remédio”.

Presente!

O Ministério Público Estadual acompanhou o lançamento das medidas representado pelo procurador-geral de Justiça, Benedito Torres. Mais bem votado na eleição interna e à frente na lista tríplice, Torres ainda espera decisão de Caiado sobre a indicação.

Alternativa

Fora dos critérios do Regime de Recuperação Fiscal, Goiás poderá, assim como outros estados que pedem socorro ao ministro da Economia Paulo Guedes, receber “dinheiro novo” do governo federal como principal ajuda. Foi o que saiu de reuniões ontem.

Calendário

Pessoas físicas cadastradas como prestadoras de serviço do Ipasgo começam a receber valores atrasados amanhã, enquanto empresas serão pagas a partir do dia 28.

Suspeita

O promotor de Justiça Fernando Krebs recomendou à secretária de Educação, Fátima Gavioli, suspenda a retomada de obras de escolas no padrão século 21. Ao menos  até a conclusão de auditoria da Controladoria-Geral do Estado de Goiás.

 
(62) 3095-8700