19 de setembro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mundo
Operação Caifás
12/09/2018 | 12h40
Papa Francisco aceita renúncia de bispo de Formosa
Depois da prisão do religioso, o Vaticano decidiu enviar outro bispo ao município para cuidar de 33 paróquias da região. Desde então Dom Paulo Mendes Peixoto foi designado para a função

O papa Francisco aceitou a renúncia do bispo de Formosa (Goiás), José Ronaldo Ribeiro, acusado de desviar mais de R$ 2 milhões dos cofres da Igreja. Ele foi detido em 19 de março. A Santa Sé confirmou hoje (12) a decisão do papa. O arcebispo metropolitano de Uberaba (Minas Gerais), Paulo Mendes Peixoto, desde março acumula as funções.

No começo do ano, o bispo José Ronaldo Ribeiro, quatro padres, um monsenhor, um vigário-geral e dois funcionários ligados à administração da Cúria foram presos na Operação Caifás. A ação investiga o desvio de recursos da Igreja Católica, em Formosa e em outras paróquias do estado. A suspeita é de que os integrantes tenham comprado imóveis, carros e joias, de acordo com o Ministério Público de Goiás.

Os recursos desviados procediam de dízimos, doações e taxas de batismos e casamento. As investigações sobre o caso começaram a partir da denúncia de fiéis.

Substituição

Depois da prisão do religioso, o Vaticano decidiu enviar outro bispo ao município para cuidar de 33 paróquias da região. Desde então Dom Paulo Mendes Peixoto foi designado para a função pelo papa Francisco.

Segundo o Ministério Público de Goiás, a Justiça autorizou a realização de escutas telefônicas que comprovaram a prática de várias irregularidades.

Entre o material apreendido na operação estavam documentos, notas promissórias, computadores, joias, relógios, máquinas fotográficas e dinheiro. 

Fonte: Agência Brasil

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)