13 de dezembro de 2018 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mulheres
Igualdade de gênero
30/08/2018 | 09h35
ONU realiza fórum sobre empoderamento da mulher no mercado
Representantes de Estados, empresas e instituições da América Latina e do Caribe se encontraram para debater o assunto

O empoderamento da mulher no âmbito corporativo é o eixo central do Fórum WEPs 2018, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), na cidade de São Paulo, para facilitar o diálogo entre os países de América Latina, Caribe e União Europeia com o objetivo de avançar no tema.

Representantes de Estados, empresas e instituições da América Latina e do Caribe, assim como o embaixador da União Europeia no Brasil, João Gomes Cravinho, se encontraram ontem (29) para debater os desafios pendentes na igualdade de gênero no mundo empresarial.

A diretora regional da ONU Mulheres para América Latina e Caribe, Luiza Carvalho, destacou os avanços da região nos âmbitos legal e jurídico, mas destacou que ainda existe um "grande déficit" por parte dos governos e do setor privado.

"Nos últimos 15 anos, vimos uma maior incorporação de mulheres ao mercado de trabalho, se comparado a outras regiões do mundo, mas foram incorporações precárias, a maioria no setor informal, ganhando menos", afirmou ela à Agência Efe.

No "Fórum WEPs 2018: Um diálogo entre países da América Latina e Caribe e a União Europeia", promovido pela ONU em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a União Europeia, foram destacados, por exemplo, países da América Latina que adotaram medidas para avançar no quesito igualdade.

A ministra da Mulher e da Igualdade de Gênero do Chile, Isabel Plá, ressaltou uma "reforma constitucional " já aprovada pela Câmara que coloca o Estado com a "obrigação" de promover a igualdade de direitos.

"A reforma, que ainda deverá passar pelo Senado, procura eliminar toda discriminação arbitrária: discriminação para acessar o mercado de trabalho, discriminação salarial ou qualquer outra que menospreze a dignidade das mulheres", sustentou a ministra.

Ela salientou também a importância das "políticas de Estado" e o "empoderamento econômico" para fazer frente à violência doméstica.

"Há uma relação muito direta entre o empoderamento econômico e a liberdade para sair do círculo de violência. No Chile, muitas mulheres permanecem em situações violentas por dependência financeira do agressor", acrescentou.

Cravinho, por sua vez, afirmou que a UE avançou em matéria de igualdade entre homens e mulheres, mas defendeu que ainda existe "um grande caminho a ser percorrido".

"Não há lugar para complacência. Devemos reconhecer o que foi feito, a situação é melhor do que há 10 ou 20 anos, mas está longe das ambições", argumentou.

Para o embaixador, as mulheres entre 30 e 45 anos na Europa "estão mais bem preparadas, mas participam menos do mercado de trabalho" devido a uma série de barreiras ainda existentes.

Conforme o Instituto Mckinsey, se as mulheres de todos os países tivessem papel idêntico ao dos homens no mercado de trabalho o PIB anual global aumentaria em 26% até 2025.

Com esse objetivo, durante o Fórum foi laçado o "Programa Regional Ganha-Ganha: Igualdade de Gênero Significa Bons Negócios", assinado por, aproximadamente, 1.800 executivos do mundo todo. Só na América Latina, 60% das mulheres estão no mercado informal e a diferença salarial é, em média, de 22%, e apenas 2% das empresas da região possuem uma mulher no cargo de diretora executiva, conforme dados divulgados hoje.

"O setor privado é um ator fundamental como agente de mudança. O programa fortalece este compromisso para a participação das mulheres nas empresas", acrescentou a diretora da ONU Mulheres para América Latina e Caribe durante o fórum, que termina amanhã. 

Tópicos:  Mulheres,   Empresarias,   Gênero,   ONU

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)