17 de janeiro de 2019 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Essência
SHOW
20-10-2018 | 06h00
A mais nova revelação do pop nacional
Jão desembarca pela primeira vez em Goiânia para apresentar seu primeiro trabalho autoral, ‘Lobos’

GABRIELLA STARNECK

ESPECIAL PARA O HOJE 

Nva revelação do pop nacional, Jão desembarca pela primeira vez em Goiânia para fazer um show, neste domingo (21), no Teatro Sesi. Após ganhar destaque por meio de covers na internet, o cantor gravou seu primeiro álbum autoral, Lobos, que será apresentado na Capital. Dentre as canções que compõem o trabalho, está a faixa Eu Vou Morrer Sozinho, uma das canções mais ouvidas no Spotify. 

Jão afirma que o repertório será compostos por músicas que lavam o público a pular com ele, mas também por canções que servem para colocar as dores para fora. “Eu sempre tenho que me segurar para não chorar nos shows, porque eu sou meio dramático, e em cima do palco fica tudo meio à flor da pele. É a primeira vez que me apresento em Goiânia, então quero que o público esteja com o sentimento na garganta e a voz bem alta para todo mundo cantar junto”, afirma o cantor ao Essência.

Álbum

Após ganhar destaque nacional por meio de covers na internet, Jão resolveu se arriscar e lançar seu primeiro álbum, Lobos, em 17 de agosto de 2018. O trabalho é composto por dez faixas autorais, do estilo pop, escritas por ele em parceria com Pedro Tófani. Dentre as canções, estão Eu Vou Morrer Sozinho, Eu Quero Ser Como Você, Me Beija Com Raiva e Imaturo.

O cantor traz em seu álbum uma fusão de ritmos em suas composições com batidas do pop e sonoridades regionais. As letras das canções falam muito dos sentimentos humanos. “Nesse trabalho, acho que as minhas dores apareceram mais. Minha infância também surge em uma música ou outra, e a figura da minha mãe também é constante”, afirma Jão.

Artista

Cantor, compositor e coprodutor paulista, Jão tem se tornado um dos nomes mais promissores do pop nacional. Prova disso é que o cantor foi vencedor do Prêmio MTV Miaw na categoria Revelações.  Mas para chegar a esse sucesso, o cantor precisou enfrentar alguns obstáculos; um deles foi a timidez. Em entrevista ao site Música R7, o artista revela: “Fui introspectivo minha infância toda. Só era aberto, feliz e desinibido no palco. E eu sempre tive cuidado para falar sobre mim. Então me abrir como nestas letras foi difícil”.

Jão ainda conta que no início da carreira tinha receio de mostrar suas próprias canções, e, por isso, optou por fazer releituras de músicas que foram sucesso na voz de outros artistas. O cantor ressalta que, hoje, já não se importa tanto com a origem de sua carreira, e como as pessoas veem isso. “Surgir da internet é a mesma coisa que surgir do barzinho. De algum lugar a gente tem que aparecer, né? E tem lugar mais democrático que isso do que a internet?”. E para falar mais sobre a carreira e o álbum Lobos, Jão participou de um bate papo com o Essência. Confira a entrevista ao lado. 

SERVIÇO

Show com Jão

Quando: domingo (21) às 20h

Onde: Teatro Sesi (Av. João Leite, nº 1.013, Setor Santa Genoveva – Goiânia)

Ingressos e mais informações: www.simpla.com.br

 Entrevista: Jão  

Qual é a proposta do álbum ‘Lobos’?             

Acho que esse trabalho valida os nossos sentimentos ruins. A gente vive uma época em que as pessoas estão se empoderando, cantando sobre serem confiantes e fortes nos relacionamentos. Mas esse álbum é sobre os sentimentos dos quais  não temos orgulho, mas que existem: inveja, fraqueza, medo.             

Em sua opinião, por que a canção ‘Vou Morrer Sozinho’ está fazendo tanto sucesso?

Eu fico muito feliz com a repercussão que a música ganhou! Desde quando lançou até hoje, só tem me trazido um montão de coisas boas, e eu acho que é porque ela conversa com um sentimento comum para muita gente. Sempre tem aquele momento da vida que a gente para para pensar que vai morrer sozinho. Eu mesmo acho que, no futuro, vou ser um velho gordinho, solitário e com meus gatos numa casa lá no meio do mato.

Você, quando lançou esse trabalho, imaginava que a repercussão seria assim? 

Eu sempre quis e trabalhei muito para isso – então, de certa forma, eu imaginava, mas no plano dos desejos. Ver acontecendo, na prática, é muito gostoso. Ver a galera toda junta, cantando nos shows, é a parte mais gratificante, porque eu sempre sonhei com isso. Estou no começo, ainda, mas bem feliz com tudo que a gente vem conquistando.

Falando mais sobre você, sua relação com a música foi incentivada/influenciada por alguém?

Eu consumia muita música vinda da televisão mesmo. Lembro de mim e minha irmã cantando a trilha de Terra Nostra e Chiquititas nas festas da família. Minha família é muito festeira, então a música sempre foi constante. Meu avô é nordestino, então cresci ouvindo muito forró e sertanejo, do interior de São Paulo.

Como você avalia a importância dos covers que fez no Youtube para o ‘sucesso’ de sua carreira?

Acho que trouxeram uma atenção inicial necessária. Mas eu nunca coloquei muita energia nisso. Sempre soube que queria lançar as minhas músicas.

E sobre a relevância do prêmio de artista revelação no MTV Miaw de 2018? 

Foi uma satisfação muito grande. Fiquei bem surpreso, porque estava concorrendo com gente que admiro muito. Meus fãs são demais, e acho que isso fortalece nossa confiança.

Você já está pensando em projetos futuros? Pode adiantar algo?

Tem alguns feats vindo aí, com gente, que eu sempre admirei. Está sendo lindo, e não posso esperar para sair!

 

(62) 3095-7800