25 de março de 2019 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Teatro Goiânia
15-02-2019 | 06h00
Grupo de Teatro Guará apresenta o espetáculo 'A Farsa da Boa Preguiça'
Montagem teve sua estreia, em 2013, na Capital, e participou de vários festivais em Goiás e outros estados

SABRINA MOURA*

O Grupo de Teatro Guará apresenta, nesta sexta-feira (15), o espetáculo A Farsa da Boa Preguiça, do dramaturgo e escritor paraibano Ariano Suassuna, às 20h, no Teatro Goiânia.

Com direção de Samuel Baldani, a montagem teve sua estreia, em 2013, na Capital,  e participou de vários festivais em Goiás e outros estados. “Ariano Suassuna se tornou fonte de pesquisas do grupo, porque, através de sua dramaturgia, encontramos o viés para trabalhar com a comédia dell’art, com um teatro mais popular e, acima de tudo, uma cena voltada para o trabalho do ator – em que esse ator é o centro e o elemento principal”, explica o diretor.

A peça não é uma defesa indiscriminada da preguiça, e sim um elogio ao ócio criador do poeta, ressaltando a diferença da visão de mundo do homem do povo e daquele que o explora. Segundo Samuel, a temática do ócio criador veio junto a um texto que tem uma dramaturgia super bem construída e elaborada, como, aliás, é uma característica do auto. “Falar do ócio é importante nesse mundo louco, de correrias e pouco tempo para o descanso. O artista necessita desse tempo, todos precisamos. E esses momentos podem ser o instante que as ideias fluem”, conta Baldani.

Numa mistura de elementos alegóricos religiosos e místicos e numa perspectiva cristã, instaura-se um conflito entre o bem e o mal, céu e inferno, Deus e diabo, o divino e sagrado contra o mundano, a avareza, a safadeza, o capitalismo e o ateísmo, de forma cômica como é próprio da farsa – gênero teatral – e do autor.

Para o diretor, essas temáticas perpassam pela peça. “Com humor podemos tratar de todas as questões relativas ao mundo, ao ser humano e de uma forma mais leve e não menos profunda”, finaliza ele.

A história narra as peripécias de um poeta de cordel pobre e preguiçoso que só pensa em dormir. O enredo apresenta contornos de crítica social sem perder o humor, a agilidade, o colorido, com referências ao sagrado e ao profano. 

O espetáculo reúne aspectos da cultura regional ligados à linguagem cênica, revelando a dinâmica colorida da tradição popular e as atrozes contradições da sociedade brasileira. Ele é uma montagem do Grupo de Teatro Guará, formado por iniciativa da Coordenação de Arte e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Montagem

Completando uma trilogia de Ariano Suassuna, iniciada com a peça o “Auto da Compadecida”, seguida por “Torturas de Um Coração”, ou “Em boca fechada não entra mosquito”, o Guará mantém a sua tradição de investir num teatro popular, mantendo as pesquisas e propostas que vem desenvolvendo ao longo de sua trajetória, sempre procurando construir um espetáculo que possa ser apresentado nas ruas, nas praças e dentro dos teatros tradicionais, estabelecendo uma forte comunicação com o público.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov

SERVIÇO

‘A Farsa da Boa Preguiça’

Quando: sexta-feira (15)

Onde: Teatro Goiânia

Horário: 20h

Entrada: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia)

 

(62) 3095-8700