20 de setembro de 2018 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Ministério Público
12/09/2018 | 12h40
Cachoeira terá que apresentar razões para ficar sem tornozeleira
Juiz ordenou que seja justificada a permanência sem o equipamento, que foi retirado após autorização judicial

Fernanda Martins

O Ministério Público (MP) de Goiás entrou com uma ação para que Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, volte a ser monitorado por tornozeleira eletrônica. O juiz Oscar de Oliveira Sá Neto determinou, na terça-feira (11), que a defesa teria três dias para apresentar justificativas para mantê-lo sem o equipamento.

Cachoeira é condenado por fraudes na loteria carioca e cumpria prisão domiciliar. Usava a tornozeleira desde o mês de junho para trabalhar em uma empresa de distribuição de materiais hospitalares e farmacêuticos, em Aparecida de Goiânia. Em agosto foi atendido pedido da defesa para que o equipamento fosse retirado com alegações de que ele precisa fazer viagens a trabalho.

O recurso apresentado pelo MP alega que o trabalho que Cachoeira faz em outras unidades federativas pode ser exercido por procuração e por meios tecnológicos.  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)